Note bem: se for surpreendido por um fantasminha na noite do dia trinta e um de outubro, não se assuste. O malandrete terá fugido das exposições que estarão patentes a partir do dia trinta, nas escolas do 1º e do 2º ciclos, com trabalhos dos alunos de Inglês. A criançada já deitou mãos à obra. “Don’t worry. It’s Halloween”.  

E mais: até vai haver prémios.

E mais: sabia que…

“O Halloween, ou Hallowe’en, tem a origem numa tradição muito antiga, o Samhain. O Samhain, Samain ou Samhuinn (um termo de origem gaélica que significa “o fim do verão”), marcava o início do inverno, o fim das colheitas e o início do novo ano celta que, de acordo com calendário gregoriano adotado no século XVI, se comemorava a 1 de novembro. Era a celebração mais importante do antigo calendário celta e, apesar de ter sido substituído no século VII, é ainda hoje relembrado por toda a Europa sob a forma de diferentes tradições e costumes que perduram até aos nossos dias. Desde tempos imemoriais que o período está associado aos fantasmas, espíritos e à morte.

Tradicionalmente, durava três dias, coincidindo atualmente com as celebrações católicas da Vigília de Todos os Santos (noite de 31 de outubro), Dia de Todos os Santos (1 de novembro) e Dia dos Fiéis Defuntos (2 de novembro).”

                                                              In observador.pt/especiais/verdadeira-historia-halloween