A emergência do conceito actual de saúde segundo a OMS liberta-se da redução ao estado de ausência de doença para uma visão global que compreende o bem-estar físico, psíquico, emocional e social.
Neste contexto abrangente, educação e saúde articulam-se e cruzam-se num objectivo comum: a construção de um projecto de vida saudável, o que implica que cada cidadão tenha acesso a informação e à sua gestão crítica para a tomada de decisões e construção da sua identidade.
A Escola não deve demitir-se do seu papel na edificação deste projecto de vida, deve desenvolver e potenciar nos seus alunos competências orientadas no sentido da cidadania e democracia, dotá-los da capacidade de desenvolver uma atitude crítica sem refúgio nas ideias feitas e nos preconceitos e, fundamentalmente, habilitá-los para a escolha de um estilo de vida saudável; o projecto PES pretende servir este propósito.A elaboração do projecto para 2009/10 teve como ponto de partida a diagnose dos problemas e necessidades seguida da determinação das áreas de intervenção:
Alimentação e actividade física;
Consumo de substâncias psico activas;
Sexualidade;
Infecções sexualmente transmissíveis, designadamente VIH-Sida;
Violência em meio escolar;
Segurança.
As vertentes curricular, psicossocial, ecológica e comunitárias, serviram de princípios orientadores na construção deste projecto.
No planeamento da intervenção foram definidos os objectivos para cada área de intervenção, bem como as actividades e a respectiva operacionalização.
Para a operacionalização das actividades privilegiou-se, como estratégia principal, o envolvimento dos alunos tornando-os não só destinatários mas também agentes promotores e divulgadores do estilo de vida saudável. Ao tornarem-se vectores de informação, os alunos sentem-se mais comprometidos com o projecto; o envolvimento dos alunos na avaliação das actividades realizadas pretende promover neles o sentido crítico e de responsabilidade. O estabelecimento de parcerias constitui também uma estratégia prioritária: entre as interligações previstas realça-se a da educação com a unidade de saúde local, conseguindo-se, assim, uma cooperação estreita e uma intervenção com pessoal especializado em áreas relacionadas com a saúde.
Como instrumentos de avaliação serão considerados a qualidade do produto final, a participação e envolvimento dos promotores, o grau de interesse dos destinatários o preenchimento de inquérito relativo ao grau de satisfação e relatórios feitos pelos alunos.